O parque do Douro internacional

Parte 3 da Viagem ao interior Norte de Portugal

Obs: Esta é a continuação da crónica do passeio ao interior norte de Portugal.

Podem ler a parte 1 aqui.

 

O Parque do Douro internacional

Estava cheio de vontade de conhecer este parque natural em que o rio Douro constitui a fronteira entre Portugal e Espanha, bem como o rio Águeda, afluente do Douro. Inclui as áreas dos municípios de Mogadouro, Miranda do Douro, Freixo de Espada à Cinta e Figueira de Castelo Rodrigo.

Foi entre a N325 e grande parte da N221 que perdi a cabeça! A paisagem, ao fim de tantos quilometros começou a saturar e o excelente piso da N221 com as suas centenas de curvas levaram-me a rolar o punho e gozar de diversão pura naquele ambiente solitário! De tal forma que, pensava eu que o meu pneu da frente ainda dava para uns bons 2.000km, acabei por dar cabo dele em cerca de 150km de pura adrenalina! A coisa foi de tal forma, que os planos para sexta-feira foram cancelados. Mas mais para frente conto-vos a história!

 

Bem, lá estava eu a percorrer o Parque e a deparar-me, de vez enquando com alguns sinais de civilização: 
 

 

 

 

 

 

Freixo de Espada à Cinta

E eis-me chegado a Freixo de Espada à Cinta, a pequena e rústica vila pertencente ao Distrito de Bragança. Os meus pneus fumegavam de tanta curva em ritmo elevado, que decidi parar por ali e conhecer um pouco da vila. Segui as placas a dizer Castelo, e quando lá cheguei não pude deixar de me rir! O Castelo de Freixo de Espada à Cinta é apenas e só uma torre e parte da muralha. O resto desapareceu em pó ao longo do tempo. E como se já não bastasse o castelo ser apenas aquilo, ainda por cima ocuparam o resta da muralha com o cimitério da Vila. Entre ficar boquiaberto e estupidificado com tal "falta de graça", lá parei a mota e subi à torre para as fotos da Praxe. Vá-se lá saber, que raio de ponto turístico é aquele!

 

 

 

 

 

 

Mas as horas passam e eu ainda ía para Macedo, local da minha primeira dormida. Mais uma vez me deparo com uma estrada a puxar pela nossa veia motard, óptimo piso e melhores curvas! Toca então a dar o máximo e a tirar proveito daquela N216 (creio eu!)

 

 

E foi neste bonito estado que o meu pneu chegou a Macedo... Ou seja, quais 2.000km que eu pensava ainda ía durar. Durou 500 e já foi com sorte!

 

 

 

Na rádio indicava "Alerta Amarelo" para o dia seguinte com chuva torrencias a assolarem esta parte do País! E eu ainda com 4 dias de passeio pela frente e sem pneu... ai, ai!

 

Sexta-feira e um pneu da Frente!

Sexta-feira tinha planeado ir até à Sanábria, visitar os lagos e passando por Bragança para visita prelongada. Da Sanabria seguia para Chaves, Régua e finalmente Lamego ao fim do dia para me encontrar com o pessoal do GAPE.

 

Claro que, com o pneu da frente naquele estado deplorável e a chuva a cair tipo baldes-de-água lá fora, esta parte da viagem foi logo cancelada. Agora a prioridade era arranjar um pneu e montá-lo durante o dia. Mas onde?? Agarrado à net e ao telefone, toca a telefonar para concessionários e oficinas de motos na zona à procura de um BT20! Mas nada, pneu nem vê-lo! E reparem, estamos num dia da semana, e nenhum concessionário ou oficina tem os BT20 para entrega imediata!

 

As horas a passam e solução nem vê-la! Até que encontro um triste e nada aconselhável BT21 em Vila Pouca de Aguiar (Concessionário Honda Irmãos Cruz) a um simpático preço de 150€!!! já com o desconto para o GAPE (!!! - concessionário a evitar!!) ou em Mirandela numa pequena oficina de mecânica, um "velhinho" Dunlop D220, os primeiros pneus que equiparam a ST1300 quando ela surgiu no mercado, em 2002. Este dunlop, a um preço mais simpático lá estava estacionado e eu só o tinha que o ir buscar.

 

Eram já cerca das 16h de Sexta quando, finalmente o pneu é montado na minha PAN debaixo de um temporal incrive!

Destaque para a oficina em Macedo de Cavaleiros, a A.J. Moto e o seu simpático proprietário Abílio Santos, que numa tarde de chuva e estando a oficina fechada, fez o especial favor de ali ir para me montar o pneu, com a cuiriosidade de ter sido calibrado à mão e não na máquina. A A.J.Moto e ao Abílio o meu especial agradecimento!

 

E pronto. Lá arranquei para Lamego com um pneu por estrear, o dia a chegar ao fim e a chuva a cair. O meu amigo Adrião decidiu acompanhar-me até Vila Real, mesmo debaixo de chuva (a vontade de andar de mota é superior a estes pormenores!!). E lá fomos a bom ritmo até Vila Real onde chegamos já o sol se estava a por. Felizmente a chuva tinha abrandado e o resto da viagem, já sozinho e de noute decorreu sem mais história. Cheguei ao Hotel eram 20h, e já jantei na companhia do pessoal do GAPE no belo Hotel onde íamos pernoitar nos próximos 3 dias.

 

A Sanábria fica para outra altura!

 


Voltar -
Ir para o Topo -
Home -
-
Home Partilhar
 
p
u
b
 

Write a comment

Comments: 1
  • #1

    KOKAS (Friday, 12 November 2010 10:49)

    Hummmmmm, isto promete! Estou a gostar, fico à espera do resto!

Pesquisa:

 

by Fusionbot | Mapa do Site

www.AutoPECAS-ONline.pt

Fri

13

Oct

2017

O que representas para eles é a liberdade

Diz a personagem de Nicholson à de Hopper, em Easy Rider. Não, não é do meu tempo (embora 69 também tenha sido um ano de boa colheita), mas é intemporal. Esta é a frase que define o filme.

Read More 0 Comments

Wed

15

Feb

2017

Como escolher o bom tipo de pneu de moto?

Existem cada vez mais categorias, gamas e tratamentos de pneus de moto. Não é fácil escolher o melhor tipo de pneu de entre tantos modelos e escolhas possíveis.

Read More

Thu

02

Feb

2017

Equipamento para andar à chuva

Andar confortável é o primeiro passo para uma condução segura...

Read More
A história do Mototurismo

Grupo de Amigos Pan-European

Turismo-de-moto, turismo, mototurismo, iajar-de-moto, viagens, viajante
Procure-nos no facebook

© Desenvolvido por Magnasubstância

As imagens deste site não podem ser utilizadas sem autorização prévia. Proteção de dados.