A Vila de Constancia

...e o tranquilo regresso a casa!

Obs: Siga esta crónica deste o início, clicando aqui.

Constância é toda ela um monumento, com várias edificações que remontam ao século XVIII. Nestes longíquos anos, a vila era conhecida como Punhete, mas o próprio povo pediu a alteração do nome por não gostarem da designação. Depois, até Camões ali andou, e até escreveu alguns dos seus poemas líricos. Aliás, podemos vê-lo em forma de estátua, sentado a mirar o rio.

 

 

 

 

p
u
b

Constância é uma vila a descobrir com tempo. Parei no posto de turismo e perdi ali algum tempo em busca de informação. Vejo que existem recantos e becos floridos, arcos e miradouros de grande beleza. As ruas estreitas que vejo são frescas e limpas, em calçada, e abrem caminho por entre paredes cobertas de verde, subindo à Igreja de Nossa Senhora dos Mártires de onde se avista uma magnífica paisagem.

 

 

Cá em baixo na margem do rio, a praia fluvial tem um vasto areal, servido de bar restaurante onde já almocei num passeio organizado por um motoclube, e muitos espaços à sombra para um belo pequenique. Nas águas calmas vários kayaks navegam calmamente.

 

 

 

p
u
b

 

 

 

Destaque também para o facto de esta pequena vila ser servida por um moderno "Centro Ciência Viva de Constância", que tenho a certeza dever merecer uma visita mais alongada.

 

 

O regresso...

E feito a pequena visita, arranco em volta da vila para vir dar ao mesmo caminho que fiz à chegada, mas desta vez na direção da frágil ponte de ferro da N118, onde ía passar para a outra margem do Tejo.

 

 

Nesta altura já estou a voltar para sul, com o rio do meu lado direito. Agora consigo ver toda a margem onde estive quilometros antes. É agradavel ver desta forma "outro lado" dos locais que visitei, e estar agora precisamente nos locais antes avistados da outra margem. Mais à frente encontro o Miradouro do Almourol, uma estrutura bastante arranjada e moderna, que nos oferece de facto uma vista privilegiada para o Castelo e toda a área envolvente.

 

 

 

p
u
b

E por ali fora, chego ao Arrepiado, uma vila construída encosta abaixo parando na margem do Rio, numa praça onde se ergue o monumento à "Barca" do Arrepiado, e onde se vê nitidamente a Vila de Tancos na outra margem...

 

 

 

 

 

E esta foi a última paragem antes de seguir para casa. De seguida passaria pela Chamusca e Almeirim onde voltaria a passar o rio para apanhar a A1 para casa. Foram no total perto de 350 quilometros, feitos a um ritmo de passeio e descoberta. Mais uma vez, visitei locais que gostei muito, uns mais demoradamente que outros, mas fica vontade de voltar a alguns, com mais tempo, não só para visitá-los mais demoradamente mas também para descansar e usufruir do turismo que nos oferecem.

 

Já sabem: Para fazer mototurismo não é preciso lançar-nos em viagens de milhares de quilometros. Basta agarrarmos nas nossas motas e irmos conhecer a nossa região envolvente. Tenho a certeza que encontrarão locais fantásticos!

 

Boas curvas!

 


Write a comment

Comments: 4
  • #1

    José Matos Lima (Thursday, 24 May 2012 09:53)

    Obrigado por mais esta crónica. Este site está nos meus favoritos, e visito regularmente. Continuem o bom trabalho! Bons quilómetros, JML

  • #2

    Carlos Zé (Friday, 01 June 2012 20:39)

    Companheiro, estive em Constância o ano passado, e realmente é muito bonita. Aconselho a visita durante Maio/Junho, pois não está tanto calor, mas sabe bem um mergulho no rio durante a tarde. Gostei deste blog. Boas viagens, e continue o bom trabalho.

  • #3

    Suzi Santos (Monday, 18 June 2012 23:07)

    <lindo, lindo lindo! Adorei a crónica, obrigada. Esta página está sem duvida nos meus bookmarks.

  • #4

    Luis Goncalves (Friday, 08 November 2013 18:37)

    Parabens pela descrição e pelas imagens.
    Nestye site encontram-se sugestoes de percursos em Constância com carácter explorador, familiar, romântico.
    Constancia e outras paragens com historia.

Pesquisa:

 

by Fusionbot | Mapa do Site

www.AutoPECAS-ONline.pt

Fri

13

Oct

2017

O que representas para eles é a liberdade

Diz a personagem de Nicholson à de Hopper, em Easy Rider. Não, não é do meu tempo (embora 69 também tenha sido um ano de boa colheita), mas é intemporal. Esta é a frase que define o filme.

Read More 0 Comments

Wed

15

Feb

2017

Como escolher o bom tipo de pneu de moto?

Existem cada vez mais categorias, gamas e tratamentos de pneus de moto. Não é fácil escolher o melhor tipo de pneu de entre tantos modelos e escolhas possíveis.

Read More

Thu

02

Feb

2017

Equipamento para andar à chuva

Andar confortável é o primeiro passo para uma condução segura...

Read More
A história do Mototurismo

Grupo de Amigos Pan-European

Turismo-de-moto, turismo, mototurismo, iajar-de-moto, viagens, viajante
Procure-nos no facebook

© Desenvolvido por Magnasubstância

As imagens deste site não podem ser utilizadas sem autorização prévia. Proteção de dados.